terça-feira, 15 de agosto de 2017

Padre Cícero e o acolhimento ao povo nordestino - Por José Romero Araújo Cardoso

        Personagem polêmico da História recente do Nordeste Brasileiro, Padre Cícero Romão Batista começou a angariar respeito logo após sua ordenação, quando foi designado pelos seus superiores, na década de 70 do século XIX, para ser o vigário de erma localidade perdida nos confins da chapada do Araripe cearense, conhecida por Joazeiro, antigo ponto de parada de tropeiros que iam e vinham da longínqua e desenvolvida cidade do Aracati, ponto de comercialização da produção sertaneja de outrora.
          As terras pertenciam a outro Padre de nome Pedro Ribeiro, havendo igreja dedicada a Nossa Senhora das Dores, ao redor da qual estavam erguidas cerca de setenta e duas casinhas de taipa, habitadas por gente de índole pouco recomendável. Em pouco tempo, Padre Cícero conseguiu converter bandidos, prostitutas, malandros, vigaristas e toda ordem de pessoas desvirtuadas, granjeando fama nos arredores devido às façanhas conquistadas. Quando da grande seca de 1877-1879, apiedado da situação dos sertanejos, passou a proferir sermões na igreja de Nossa Senhora das Dores com apelo para que os deserdados da terrível estiagem se dirigissem às distantes plagas do Norte, onde começava a se dinamizar a extração da borracha de seringueira para atender as exigências da nascente indústria automobilística.
          Em março de 1889, protagonizou com a beata Maria de Araújo o “milagre da hóstia”. Ao receber a comunhão, a humilde sertaneja espantou as pessoas presentes, pois esta se transformou em sangue e depois tomou o formato de coração.
          O afluxo de gente em direção ao Joazeiro, após o “milagre da hóstia”, passou a ser contínuo, cada vez mais intenso, despertando a atenção dos seus superiores em Fortaleza, os quais enviaram a primeira comissão episcopal para analisar o fenômeno. O veredicto determinou a fraude do “milagre da hóstia”, mas interesses maiores fizeram com que outra investigação fosse realizada, a qual se definiu favorável aos episódios ocorridos no Joazeiro. Chamado a Roma para se explicar, Padre Cícero desafiou a estrutura suprema da igreja católica, negando que o “milagre da hóstia” tivesse sido um embuste. Então foi definida sua suspensão das ordens sacerdotais e sua excomunhão.
          Para o povo sertanejo que esperava seu regresso nada disso importava, pois já o tinha como “Padim protetor”, aquele que era a garantia melhores dias, materiais e espirituais, verdadeiro Messias à imagem do Padre Ibiapina e do Frei Vitale.
          Padre Cícero promoveu verdadeira revolução, pois evitava que àquelas pessoas simples e humildes que chegavam diariamente ao Joazeiro engrossassem as fileiras do cangaço, fazendo-as beatos e beatos, as  quais passaram a rezar contritas e irresolutas, realizando trabalhos espirituais ao invés de estarem empunhando rifles e punhais assassinos.
          Apesar do intenso trabalho sócio-religioso que realizou, Padre Cícero contribuiu bastante para o fortalecimento da violência do mandonismo quando deu poderes ilimitados ao médico baiano Floro Bartholomeu da Costa, responsável pela inserção política do movimento do Joazeiro, antes eminentemente religioso.
          Vinculado ao Acciolismo, Padre Cícero deu carta branca para que Floro e o exército de romeiros-jagunços avançassem até Fortaleza, intuindo depor, quando da “revolução” de 1914, o governo de Franco Rabelo, cujo fato se evidenciou de forma notável.
          Apesar do acolhimento espiritual e material a sertanejos oriundos de todos os recantos, principalmente do Estado de Alagoas, Padre Cícero se firmou na história nordestina e brasileira como um dos mais discutidos personagem de todos os tempos.
* Crônica não classificada no I Concurso Homenagem ao Padre do Juazeiro, promovido pelo Parque Cultural "O Rei do Baião" e Caldeirão Político.

José Romero Araújo Cardoso. Geógrafo (UFPB). Professor-Adjunto IV do Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Especialista em Geografai e Gestão Territorial (UFPB) e em Organização de Arquivos (UFPB). Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA - UERN). Escritor. Membro da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço (SBEC), do Instituto Cultural do Oeste Potiguar (ICOP) e da Associação dos Escritores Mossoroenses (ASCRIM).



Nenhum comentário:

Postar um comentário